In Literatura Poemas

1,2,3..

1,2,3...
Estou me afogando outra vez, no mar de lágrimas que criei
A cada novo dia incio uma nova guerra dentro de mim 
Já está na minha rotina, ter de viver cada dia infeliz
Como se fosse normal, como se isso não estivesse me matando
Eu já vi tudo isso acontecer antes...
O medo de estar sozinho me cerca e creio não poder ir até o fim
Não sem alguém para segurar minha mão
Eu não posso e não quero ser só mais um alguém magoado
Eu quero mudar a história, eu quero mudar tudo 
Eu preciso ser diferente de tudo que eu já vi antes...
Será que tudo que estou fazendo será o suficiente?
Será que há alguém em que eu posso confiar?
Será que no final de tudo isso valerá a pena?
Ou será apenas mais uma daquelas histórias de televisão?
Será que quando tudo acabar, você estará lá?
Seus olhos verdes voltaram a brilhar ao me ver?
Eu criei o caos, aliás eu me tornei o caos
Eu baguncei a vida de muitas pessoas importantes para mim
Agora eu só queria poder saber se poderei salvar alguém, ou á mim...
1,2,3...
E meu corpo outra vez submerso está
Sei que são as consequências das coisas que eu fiz 
Sei que sou eu quem devo lutar cada maldita guerra todos os dias
Mas sinto que já não posso mais fazer isso sozinho
Será que um dia poderei me libertar?
Será que eu chegarei tão longe quanto espero?
Será que terei força para aguentar até amanhã?
O que será de mim amanhã?
Céus, eu só quero poder viver longe de todas aquelas histórias que eu já vi antes...
Eu me tornei o caos, eu feri e baguncei a vida de muitos
Pedir desculpas já não é mais o suficiente
Na verdade, acho que nada mais é o suficiente para perdoar todos os erros que cometi...
1,2,3...
Enquanto meu corpo flutua, me pego pensando sobre algumas coisas que eu ouvi
Eles me disseram que o amor era doloroso e eu não dei ouvidos
E agora sinto a dor de que falaram queimar em meu peito
As coisas não deviam ser assim 
Todo amor que carregamos devia ser o suficiente á quem amamos
Mas nunca é, e nunca será...
Foda-se essa grande merda, eu só preciso ser
Diferente de tudo que já vi...

C. M. De Lima


Related Articles