In Aleatório Sobre a Autora

Sobre o amor

Ah o amor, aquele que preenche as telonas do cinema todos os anos, aquele que faz os poetas terem sobre o que escrever sempre, seja sobre suas dores ou alegrias. O amor, aquele que vende milhões de livros todos os anos para os corações moles se derreterem, e sonharem com um amor como "o do livro". O amor que é tão culpado por quando dá errado no tempo errado, que é tão mal falado quando não está maduro. Ah amor que todos, ou quase todos podem sentir, e ninguém sabe explicar ou entender e que todos anseiam por sentir, o amor um sentimento tão puro que alimenta a alma e causa uma felicidade diária inexplicável.
É comum vermos hoje em dia, pessoas mal dizendo sobre o amor, o condenando, o abonando como se ele fosse o pior dos sentimentos, como se ele fosse a pior coisa que podemos sentir. Eu acredito que se alguém não gosta do amor provavelmente nunca amou direito, afinal o amor não é como os livros, ou filmes, ele é para os corajosos, e valentes, é para aqueles que estão disposto a fazer de tudo para ver aquele que ama feliz. Eu realmente odeio ter que dizer isso, mas o amor envolve sacrifícios, e pelo amor de Deus não estamos falando em suicido! O amor envolve sacrifícios como ficar um final de semana em casa com o outro, envolve querer o outro sempre bem, mesmo que não seja na sua companhia, envolve lutas diárias com ego, orgulho e outros defeitos que viemos de fábrica, envolve ceder as vezes e discutir também. Mas vale a pena lembrar que amor não é viver como o outro quer, e ceder as vontades sempre, amor é uma harmonia, intensidade, lutas e companhia.
Eu sei que o amor as vezes machuca, e antes que alguém me critique, não estou me referindo a relacionamentos abusivos. Eu estou tentando dizer que, as vezes mesmo que haja paixão, se dois corações ainda não estão prontos para ficarem juntos, eles não ficaram, coisa do nosso amigo destino, que adora nos pregar pressas... O amor é renovação, são velhas e novas histórias e poder viver cada um como se fosse o primeiro, o amor é cheio de peças e segredos, mas em momento algum perde o encanto, nem mesmo no mais intenso choro...
Enfim, o amor nunca erra, e não tem culpa dos seus erros anteriores, das suas dores anteriores, o amor foi feito para ser sentido e não explicado, e para se manifestar de diferentes formas em cada um de nós. O amor é mais do que vemos por ai, e mais gostoso do que se pode imaginar, as vezes envolve um choro ou outro, uma tristeza aqui e ali, mas acontece e passa. Como toda e qualquer coisa nessa vida passa, como toda dor vai embora e fica tudo bem.

C. M. De Lima


Related Articles