Demônio da Encruzilhada

9:53 PM

"As pessoas costumam se vender por coisas tão banais que as vezes esse trabalho me assusta, não pelo fato de ter que encontrar pessoas no meio da madrugada, mas sim por ver que a humanidade as vezes se vende por coisas tão estupidas como poder, dinheiro e o amor de alguém. Fora isso, algumas pessoas se vendem por muito menos, e as vezes eu me sinto na obrigação de perguntar "acha que sua alma vale só isso?", como parece que ninguém mais nesse mundo usa o cérebro, a pessoa nem se quer pensa na pergunta e responde que sim, assim selando o contrato. 
Bom, acho que agora vocês deve estar se perguntando quem diabos sou eu. E lhe peço desculpas por não ter me apresentado antes, é que para maioria da humanidade não temos nomes, somos todos iguais e queremos sempre o mesmo, em teoria é bem verdade, afinal precisamos nos sustentar, mas isso não significa que somos todos iguais. Não tenho o corpo sarado do Cauê, ou os peitões da Kelly, mas ainda sim não deixo de ser um demônio atraente. Sim, um demônio vocês não entenderam errado, e para ficarmos ainda mais íntimos vocês podem me chamar só de Dan, e eu sou um cara de negócios."

{...}

- Então não se esqueçam de se inscrever no canal e fazer todas aquelas coisas que você já sabem! Até o próximo vídeo. - Disse Caio finalizando seu vídeo para seu canal no youtube. 
Ele desligou a câmera, se jogou na cama e tentou fechar os olhos por cinco minutos, mas os gritos da sua mãe soaram altos e em bom som. Então ele se obrigou a ir até a cozinha e ver o que sua mãe queria.
- Gravando aqueles negócios de terror de novo Caio? - Perguntou sua mãe com uma cara brava.
- Estava sim, sabe que é meu trabalho. - Respondeu ele.
- Trabalho... trabalho para mim é num escritório, numa fábrica, não na internet. - Disse a mãe dele no mesmo tom de irritada de antes. 
- Eu não posso fazer nada se não considera o que eu faço trabalho, e se quer me ajuda para de me por para baixo. - Respondeu Caio com uma cara entristecida. 
Então a mãe se calou, e ele também, um silêncio tomou a cozinha durante todo tempo em que eles estiveram ali, aquela ali não era a primeira e nem a última briga que eles teriam naquele mesmo dia. Desde que Caio começou seu canal no youtube a briga se tornou constante, e acontecia quase todos os dias, com o mesmo discurso de sempre. Depois de terminar de ajudar sua mãe, Caio se trancou no quarto para editar o vídeo que havia gravado ainda mais cedo.
Caio tinha um canal no youtube onde falava de tudo, mas o que ele mais gostava de postar era sobre as coisas que envolviam o mundo sobrenatural como espíritos, demônios, e qualquer outra coisa que pudesse causar medo em seu público. Mesmo que esse público ainda fosse algo relativamente pequeno. Depois do vídeo devidamente editado, ele deixou carregando para o site, trocou de roupa e pulou a janela do seu quarto para sair para beber num bar que ficava a poucos quarteirões dali. 
Ele ainda queria fazer um vídeo sobre aquele bar, afinal ele ficava bem no meio de uma encruzilhada, diversas vezes, Caio se imaginou ali no meio da noite negociando sua alma com algum demônio. Muitas vezes ele se perguntou do que valia sua alma. Dinheiro? Fama? O amor daquela garota que era apaixonado? Ele nunca sabia exatamente o que pediria em troca de sua alma, mas tinha o estranho desejo de a vender. Naquela noite enquanto caminhava em direção ao bar, havia um cara não muito mais velho que ele, com uma barba por fazer, vestido de preto e com uma cruz invertida no pescoço. "Góticos", pensou Caio enquanto entrava no bar e deixava para atrás aquele ser bizarro.
Lá dentro tudo era como de sempre, as mesmas velhas cadeiras e mesas, no bar Jimmy limpava os velhos copos enquanto discutia alguma teoria sobre alienígenas com Poe, aquele bar era a inspiração para maioria dos seus vídeos e lá era o melhor lugar para se ouvir histórias sobre fantasmas, alienígenas, e demônios.
- Vai querer o de sempre Caio? - Perguntou Jimmy.
- Por favor Jimmy. - Respondeu Caio sorrindo.
- Então, já soube do nosso visitante? - Perguntou Jimmy.
- Que visitante? Não vejo ninguém de novo aqui no bar. - Respondeu Caio.
- Ele não pode entrar aqui, por isso fica lá fora. Deve estar esperando alguém. - Disse Jimmy, deixando Caio confuso.
- Andou fumando de novo Jimmy? Do que está falando? - Perguntou Caio.
- Do demônio de encruzilhada parado lá fora. - Respondeu Jimmy.
- Está falando do gótico lá fora? Ah deve ser só um perdido esperando sua turma. - Respondeu Caio rindo.
- Caio, você vem aqui á tempos, sabe das coisas que vimos e conhecemos. E eu já tenho meus 60 anos, sei muito bem diferenciar um demônio de um gótico. - Respondeu Jimmy irritado.
- Tudo bem, me desculpa Jimmy. Sabe de quem poderia ter o chamado? - Disse Caio.
- Olhe ao seu redor garoto! Todos aqui, exceto você, são velhos e tem mil motivos para vender a alma e conseguir mais uns anos de vida. - Respondeu Jimmy.
Então uma garota ruiva entrou no bar, ela devia ser nova no bairro, pois Caio nunca tinha a visto antes. Ela estava com um vestido preto que ia até perto do joelho, e usava uma maquiagem bem fraca, seu rosto parecia pálido de tão claro e seu batom vermelho era um destaque em seus lábios. Então Jimmy serviu a ela Whisky puro e ela tomou em uma unica vez, geralmente, as pessoas só fazem isso por um motivo: nevrosismo. Caio quis ir lá se apresentar e falar com a garota, mas antes que pudesse chegar perto dela ela saiu, então ele apenas a observou pela pequena janela suja do bar. Lá fora a garota caminhou até o cara estranho que Caio viu quando chegou, eles conversaram por um tempo, ela chorou e então o beijou. E logo depois desse beijo a garota sumiu, assim como o estranho garoto, a principio Caio não acreditou, pensou que fosse todas as cervejas que ele tomou, mas quando se deu conta Jimmy também estava olhando aquela cena.
- Eu lhe disse que era um demônio de encruzilhada! Graças a Deus esse lugar é protegido. - Disse Jimmy.
- Eu preciso falar com ele. - Respondeu Caio.
- Só tem um jeito de falar com ele. E você não será louco de fazer isso. - Disse Jimmy olhando Caio de cara feia.
- Será? Imagine o quanto de acessos meu canal não iria ganhar com um vídeo com esse cara? - Respondeu Caio com um sorriso.
- Caio, se quer ouvir nossas histórias, tudo bem, ficamos felizes em compartilha-las com você, mas falar com um demônio é outra coisa. - Disse Jimmy quase gritando.
Então Caio pagou suas cervejas e saiu porta a fora quase correndo para casa. Quando pulou a janela para seu quarto outra vez, publicou seu vídeo como de costume e coloco-se a estudar sobre demônios de encruzilhadas, como os chamar, como falar com eles, como negociar. Ele passou basicamente o resto daquela noite pesquisando sobre. Estava decido que naquela noite ele iria conversar com um demônio.
Quando amanheceu, Caio fez todas as coisas de costume, divulgou seu canal, preparou roteiros, ajudou sua mãe, e quando anoiteceu, foi para o meio da encruzilhada chamar o demônio. A principio, parecia que não havia funcionado, mas algum tempo depois o mesmo gótico bizarro de ontem surgiu.
- Você não é o garoto que ficou me encarando ontem? - Perguntou o Demônio.
- Sou eu mesmo meu nome é...- Disse Caio até ser interrompido.
- Eu sei quem você é, o que você faz. Vamos pular o papo furado, eu sou Daniel seu demônio da noite e quero saber como posso ajudar? - Perguntou o demônio soltando um sorriso malicioso.
- Hãm, prazer, eu acho. Então, eu não quero vender minha alma, eu só queria meio que entrevistar você. - Disse Caio com medo.
- EU NÃO ACREDITO QUE ME CHAMOU AQUI PARA UMA ENTREVISTA PARA O SEU CANAL DE MERDA. - Gritou bravo o demônio.
- Ei, não fale assim do meu canal! Eu achei que ia gostar, ia ganhar mais clientes talvez. - Respondeu Caio com medo.
- Nem tente arranjar desculpas. Estamos aqui para fazer um pacto, uma vez que me chama não pode mais voltar atrás, então me diga o que quer que negociamos os anos. - Disse o demônio ainda com raiva.
- Mas eu não quero vender minha alma! Eu só queria conversar com você, gravar um vídeo. - Disse Caio se encolhendo.
- Okay, você quer um vídeo vai ter, mas depois disso eu quero algo de você também. - Respondeu o demônio sorrindo.
- Acha que eu sou idiota de trocar minha alma por um vídeo? - Perguntou Caio.
- Se é idiota para a trocar por um vídeo eu não sei, mas para chamar um demônio só pra conversar já vi que é! - Respondeu o demônio.
- Então o que vai querer em troca? - Perguntou Caio.
- Por enquanto não irei lhe cobrar, mas quando a hora chegar a hora eu irei cobrar. - Respondeu o demônio.
- Bom, eu já sei que não vai me deixar sair daqui sem fazer um trato, não é? Então eu aceito. - Disse Caio.
- Ótimo, ótimo. Então vamos selar isso. - Disse o demônio.
- Vou ter que te beijar? - Perguntou Caio.
- Ah, me poupe, vai dizer que é homofóbico? - Respondeu o demônio.
- Tanto faz. - Disse Caio, indo em direção ao demônio para selar o pacto.
Depois do pacto selado, quando Caio abriu seus olhos o demônio já não estava mais lá. Então ele voltou para casa e foi fazer as coisas de seu canal como de costume, ao separar os arquivos que iria editar naquela noite encontrou um com o nome de "Dan", quando abriu o arquivo viu que era um vídeo que o demônio havia feito para sua parte no acordo. No vídeo ele falou quem era, como se tornara demônio, como as pessoas o chamavam e alguns dos tratos que já havia feito com pessoas conhecidas, no final do vídeo seus olhos escurecem, ele olha para câmera e diz "não esqueça que você está em divida comigo, Caio" ao ouvir essas últimas palavras Caio sente um arrepio passar por todo seu corpo, então a tela escurece e o vídeo acaba ali. Caio o edita e o solta na mesma noite, ele mal pode esperar para ver a reação de seus seguidores.
No outro dia tudo parece calmo, e normal, levando em consideração os acontecimentos da última noite. Caio faz o de sempre, ajuda sua mãe e depois vai se dedicar ao seu canal, ele começa a ler os comentários do último vídeo que são na maioria positivos. Seu canal parece ter crescido mais de mil inscrito desde a postagem do vídeo, isso deixou Caio feliz, mas ao mesmo tempo preocupado com o que o demônio pediria a ele. "Ele disse um dia", provavelmente esse dia irá demorar, então para que preocupar?", pensou Caio.
Então se passaram-se meses, e seu canal continuou a crescer, e ele começou a se tornar mais conhecido, fechar parcerias e conseguir parcerias com várias empresas. "Deve estar quase na hora dele vir me pedir o que quer, afinal é sempre na melhor parte que eles aparecem", pensou. Mas passaram-se mais e mais meses e nada do demônio vir lhe cobrar o que devia, e isso de certa forma o deixava preocupado. Durante todo o tempo que passou Caio conheceu uma garota, pela qual estava perdidamente apaixonado.
Passaram-se anos e nada do demônio aparecer, e agora Caio já era um homem, que estava morrendo de medo que sua noiva não aparecesse no próprio casamento lhe dando um gigantesco fora. Mas acabou ocorrendo tudo bem, até encontrar um velho amigo no banheiro:
- De todas as pessoas que estão nesse lugar, eu sou a única que você não deveria ter esquecido de convidar. - Disse o demônio.
- Eu não sabia que tinha como enviar convites para o inferno. - Respondeu Caio.
- Já deve saber para que eu estou aqui, não é? - Perguntou o demônio.
- Veio cobrar o que te devo. - Respondeu Caio.
- Isso mesmo meu garoto! - Respondeu o demônio sorrindo.
- E ai? Como vai ser? Vou cair morto e dai você leva minha alma? - Perguntou Caio.
- Ah não, que comum, e chato, vamos aproveitar a festa e então eu vou lhe explicar como tudo deve ser. - Respondeu o demônio dando tapinhas nas costas de Caio e sumindo.
Então Caio seguiu as ordens do demônio e voltou para festa, estava perto da hora de fazer os brindes desejando bons votos ao casal. E assim começaram os brindes, seus pais falaram, seus amigos mais próximos e quase todos que tinha algum vínculo com o casal falaram alguma coisa, e quando estavam preste a terminar os brindes foram interrompidos por um cara estranho, vestido de preto e com uma cruz de cabeça para baixo começou a falar:
- Espero que esteja gravando isso, pois irei querer ao menos um cópia para cada século de vida. Bom, eu queria fazer uma pequena participação nesse casamento também, porque daqui a pouco terei que sair na companhia do bom noivo, e da noiva. Então prometo ser breve. As pessoas costumam se vender por coisas tão banais que as vezes esse trabalho me assusta, não pelo fato de ter que encontrar pessoas no meio da madrugada, mas sim por ver que a humanidade as vezes se vende por coisas tão estupidas como poder, dinheiro e o amor de alguém. Fora isso, algumas pessoas se vendem por muito menos, e as vezes eu me sinto na obrigação de perguntar "acha que sua alma vale só isso?", como parece que ninguém mais nesse mundo usa o cérebro, a pessoa nem se quer pensa na pergunta e responde que sim, assim selando o contrato.
Bom, acho que agora vocês devem estar se perguntando quem diabos sou eu. E lhes peço desculpas por não ter me apresentado antes, é que para maioria da humanidade não temos nomes, somos todos iguais e queremos sempre o mesmo, em teoria é bem verdade, afinal precisamos nos sustentar, mas isso não significa que somos todos iguais. Não tenho o corpo sarado do Cauê, ou os peitões da Kelly, mas ainda sim não deixo de ser um demônio atraente. Sim, um demônio vocês não entenderam errado, e para ficarmos ainda mais íntimos vocês podem me chamar só de Dan, e eu sou um cara de negócios. E foram esses negócios que trouxeram para Caio tudo que ele tem, e conquistou, incrível como um vídeo pode mudar a vida de uma pessoa né? Enfim, felicidade aos próximos últimos minutos de casados de vocês, e aos que vão sobreviver boa festa! - Disse o homem andando até os noivos e os puxando pela mão sem dizer uma palavra.
Então Caio e sua noiva saíram com o demônio do lugar da festa, e entraram num carro que os demônio literalmente os jogou. Eles não disseram nada o caminho todo, apenas ficaram em silêncio. Caio já havia contado á ela sobre o pacto, e sobre como achava que aquilo não tinha passado de uma brincadeira já que depois de tanto tempo o demônio nunca tinha nem se quer o visitado, ou coisa assim. Mas depois de todo aquele discurso, e o fato de estarem ali naquele momento, eles já não eram mais descrentes.
- Conheço uma música ótima para esse momento. - Disse o demônio sorrindo procurando uma musica no rádio.
- Gostam de AC/DC? - Perguntou enquanto ironicamente ligava a musica "Highway to Hell".
De repente o carro parou, no mesmo lugar onde Caio havia selado o pacto, eles ficaram no carro por cinco minutos até serem puxados para fora. Foram colocados de frente um para o outro. Caio ainda não entendia porque sua noiva estava ali, e pior ainda, porque não estava assustada nem tão pouco com medo, ela nem se quer chorava enquanto ele tentava ao máximo não chorar. Então o demônio sentou no meio dos dois.
- Caio, me diga, você ama essa mulher? - Perguntou o demônio passando uma faca pelo pescoço de sua noiva.
- Como nunca amei outra garota. - Respondeu Caio tentando não chorar.
- Jura? O que te feriria mais? Ver ela morrer ou saber que ela não é o que diz ser? - Perguntou o demônio com a faca no mesmo lugar.
- Eu não sei, não há como medir. - Respondeu Caio.
- Então tá okay. - Disse o demônio.
- O QUE QUER DE MIM? - Gritou Caio chorando de raiva e medo.
- Eu poderia ficar com sua alma, mas seria fácil demais, acho que seria até bom demais para você, por isso escolhi algo mais, digamos, elaborado. Eu quero ver toda a felicidade sair de seus olhos antes de recolher sua alma, isso é claro se eu for recolher. - Respondeu o demônio parecendo o ser mais calmo do mundo.
- Então porque não faz isso de uma vez? - Perguntou Caio.
- Porque é isso que você quer, e fazer o que você quer não é o que eu quero. - Respondeu o demônio.
- Vai simplesmente esperar que eu não queria mais? - Perguntou Caio.
será melhor. Então minha querida, porque não conta ele como conseguiu se tornar o amor da vida dele? - Disse o demônio enquanto olhava para a noiva de Caio.
- Seu monstro! - Disse ela olhando para o demônio.
- Querida, por favor, eu sou um demônio, ser chamado de monstro é elogio para mim, Pare de bancar a boa moça e conte do nosso acordo a ele. - Disse o demônio.
- Que acordo? - Perguntou Caio.
- Você provavelmente não irá me amar mais depois que souber de tudo, Bom, eu era uma das seguidoras do seu canal, sempre estava em tudo quanto é rede social comentando e tentando fazer você ao menos me responder, mas isso nunca aconteceu. Um dia te encontrei na rua e você foi extremamente estúpido comigo, e disse que não queria saber de fãs no momento, e isso me magoou. Então encontrei ele, ele me propôs um acordo onde teria seu amor em troca de um alma que você amasse. - Disse a noiva agora engolindo o choro.
- A alma de alguém que amo? A única pessoa que amo mais que a você era minha mãe que faleceu um pouco antes da gente se conhecer e... Não, não me diga que você foi você que a matou. Como? Como pode fazer algo assim? - Perguntou Caio dessa vez sem esconder o choro ou a raiva.
- Eu trabalhava com ela, e todos os dias ela me pedia um copo de água quando me via beber, então não foi difícil fazer. Entenda, só fiz isso porque te amo! - Respondeu a garota.
- Isso não é amor, é loucura! - Disse o demônio entregando a faca para Caio, que sem pensar cortou a garganta da garota fazendo seu sangue jorrar.
- Você já ouviu falar em ilusão de óptica? - Perguntou o demônio.
- O que quer dizer com isso? - Retrucou Caio.
- Veja você mesmo. - Disse o demônio, o entregando um celular com a gravação da confissão de sua esposa. Mas o vídeo era diferente, nele ela apenas dizia que ia ficar tudo bem e pedia para ele se acalmar. Ao ver aquilo Caio sentiu uma dor intensa no peito, ele havia sido manipulado, e acabara matando a próprio esposa que nada havia feito. Caio quis se matar, mas antes que fizesse isso, o demônio arrancou a faca de sua mão e o segurou pela cabeça.
- Agora vou te dizer o que você vai fazer, você vai ser acusado de matar sua mulher, mas vai dizer a todas que a culpa é minha, e assim fará com que todos acreditem que você é louco, e você irá viver o resto da sua vida num sanatório, tendo de conviver com o fato de que matou a própria esposa por um simples e fútil vídeo num canal no youtube. E você só poderá morrer quando eu deixar, Não importa quantas vezes você tente se matar, eu vou te impedir em todas elas. Pois eu não quero sua alma Caio, quero seu sofrimento, e sabe por que? Porque eu me divirto com o seu sofrimento. - Disse o demônio dando um golpe na cabeça de Caio que caiu desmaiado no chão.

Naquela noite acharam Caio coberto com o sangue de sua noiva morta no meio da encruzilhada, e a faca que o matou na mão. Como único suspeito e com todas as evidências apontando para ele Caio foi acusado de ter matado sua noiva, mas não apresentava sanidade mental e com isso ele acabou vivendo o resto de sua vida num sanatório onde constantemente era dopado pois tentava se matar, ou então não queria ser incomodado pelo demônio. As pessoas nunca souberam dizer se o demônio da encruzilhada realmente existiu, ou se aquilo foi só uma invenção de Caio, muitos acreditam que ele sempre foi louco, e outros chegam a dizer que ele foi possuído, a única certeza é que esse homem sofreu como nenhum outro.

C. M. De Lima






You Might Also Like

0 comentários

Like us on Facebook

Flickr Images